Autor faudesigner

Tire suas dúvidas sobre SEO

Se para você SEO são apenas três letras sem importância, está na hora de rever seus conceitos. A sigla significa, em inglês, Search Engine Optimization ou, em português, otimização para mecanismos de busca. Ler mais

Links patrocinados: perca o medo de usa-los!

Você montou sua loja com todo carinho, encheu de produtos legais, fez até sua lição de casa para ela poder aparecer bem nas buscas e… Nada! Ninguém apareceu. Fuén, fuén, fuén… Calma, não se desespere!

Os links patrocinados estão aí para te dar uma forcinha e ajudar a trazer gente nova para o seu site. Eles aparecem junto com os resultados de buscas normais – ou orgânicos, para usar o nome certo –, mas em um lugar de maior destaque.

E quer saber do melhor? Pesquisas indicam que, nos sites que anunciam, um terço do tráfego vem dos links patrocinados. Quer mais? Os clientes que chegam através deles ainda costumam visitar mais páginas e gastar mais dinheiro do que visitantes comuns.

– Mas eu não tenho verba para investir em publicidade!

Essa é a melhor parte da história. Não há um limite mínimo de investimento em links patrocinados. Com R$ 50 você já pode começar a brincar.

Funciona assim: você escolhe as palavras que quer comprar e toda vez que alguém clicar em um anúncio e chegar ao seu site, você paga por aquele clique. Ninguém clicou? Você não paga nada. O preço de cada clique varia conforme a palavra – as mais procuradas são as mais caras.

Quer fazer um test drive e ver se a estratégia funciona para você? Então vamos lá:

1. Saiba quanto quer gastar

Defina um valor diário ou mensal para gastar com os links patrocinados. O ideal é começar com uma verba menor e ir aumentando conforme os resultados forem aparecendo. O mecanismo é simples. Você estipula o máximo que quer gastar e, quando esse teto for atingido, você escolhe: ou para de anunciar, ou define um novo valor para ser investido.

2. Crie anúncios segmentados

Cada ferramenta de links patrocinados apresenta suas próprias opções de segmentação. É importante explorá-las ao máximo. Com os links patrocinados do UOL, você pode segmentar seus anúncios por assunto, perfil de público ou por palavras-chave.

3. Escolha a palavra-chave certa

Cada palavra-chave tem o seu preço e ele é afetado por vários fatores – oferta e procura, época do ano e até horário de exibição. Termos genéricos costumam ser mais baratos, mas apresentam um resultado menos satisfatório – afinal, eles nem sempre transmitem a ideia certa do seu produto.

Imagine que você tem uma loja de bolsas de praia e escolheu a palavra-chave “bolsa”. É provável que quem procurar por “bolsa de estudos” ou “bolsa de valores” também veja seu anúncio. Obviamente, eles não estão interessados em comprar o seu produto.

4. De olho nos resultados

Acompanhar os resultados é fundamental para avaliar se o investimento está compensando. Faça a conta: o valor que você investiu dividido pelo total de clientes que efetivamente compraram na sua loja. Esse é o seu custo de aquisição por usuário. Avalie se, após esse custo, ainda sobra uma margem interessante de lucro por cliente.

5. Repense sua estratégia

Se os anúncios trouxeram um bom resultado, tente aumentar o orçamento. Se eles geraram poucos cliques, é hora de repensar sua campanha. Talvez você não tenha escolhido as palavras certas ou talvez tenha que fazer um texto mais vendedor.

Gostou da ideia? Então que tal começar agora mesmo a sua campanha de links patrocinados?

Veja algumas técnicas de SEO para WordPress

Vamos combinar: não adianta nada manter um site no ar se ele não receber acessos. Há dois caminhos para que isso aconteça, além da divulgação direta do link por meio de outros canais: investir em mídia paga para que os buscadores evidenciem seu site nos resultados ou aplicar boas práticas de SEO (Search Engine Optimization ou Otimização de Sites para Mecanismos de Buscas), que faz com que seu site se destaque nas pesquisas sem pagar nada por isso.

Se o seu site usa o WordPress como CMS (gerenciador de conteúdo), não há motivos para deixar o trabalho de SEO de lado. Isso porque o próprio Google, o maior site de buscas do mundo, considera o WordPress amigável para a otimização de sites para mecanismos de busca. A plataforma disponibiliza uma série de recursos e plugins atualizados que vão ao encontro das boas práticas de SEO.

Sabendo que há milhares de sites querendo aparecer para o mesmo público-alvo que o seu, você precisa conhecer as melhores técnicas e plugins para usar em seu favor. Acompanhe, a seguir, o que fazer para ajudar seu site em WordPress a aparecer no topo dos resultados:

Crie uma página otimizada no WordPress

Como você deve saber, os buscadores priorizam, em seus resultados, páginas que oferecem conteúdos de qualidade, uma vez que a intenção dos mecanismos é proporcionar a melhor experiência possível ao usuário. Logo, é isso que você deve fazer. Mas, em primeiro lugar, é importante definirmos o que é conteúdo de qualidade para os sites de busca.

Um conteúdo de qualidade reúne informações inéditas e que respondem a todas as dúvidas que os usuários venham a ter sobre determinado assunto. Quanto mais formatos de conteúdo, melhor para otimizar uma página. Isso inclui imagens, vídeos e textos.

Agora, para o buscador entender que sua página pode ser relevante, você precisa destacar alguns pontos. Cada post precisa conter uma palavra-chave que se relacione diretamente com o assunto abordado.

Se você estiver escrevendo um texto sobre dicas de SEO, por exemplo, sua palavra-chave é “SEO”. Normalmente, escolhem-se as palavras-chave de acordo com o volume de buscas no Google. Para isso, use ferramentas como o Google Trends, que indicam os termos mais procurados.

Definido o principal termo do conteúdo, procure destacá-lo em lugares estratégicos. Nesse sentido, é fundamental que a palavra-chave apareça na URL, no título, nos subtítulos H2, no começo do primeiro parágrafo e no decorrer do texto. Mas procure não repeti-la em excesso para não prejudicar a qualidade do conteúdo. Em alguns casos, prefira sinônimos.

Por fim, textos muito curtos – com menos de 300 palavras – não são bem pontuados pelos mecanismos de busca, portanto, procure se aprofundar em suas postagens.

Instale o Plugin Yoast

Muitas coisas para fazer, não? Para ajudá-lo a não esquecer nenhum detalhe, o melhor atalho é instalar o plugin WordPress SEO By Yoast. A partir daí, toda vez que você criar uma página ou um conteúdo novo, ele lembra os passos de otimização.

Antes da publicação, o plugin classifica o texto como bom (círculo verde), OK (círculo laranja) e péssimo (círculo vermelho) SEO, ou seja, trabalhe sempre para buscar a melhor classificação possível.

O WordPress SEO by Yoast também aponta alguns passos que você precisa melhorar. Por exemplo, se não houver nenhum link no texto, seja interno ou externo, ele sugere a utilização.

Ou então, quando o conteúdo tem menos de 300 palavras, ele sinaliza que é preciso escrever um pouco mais para o texto se tornar relevante. E mais: é possível, ainda, editar títulos e meta-descrições direto pelo plugin.

Mas não deixe tudo nas mãos da ferramenta. Você também deve fazer uma avaliação da qualidade do conteúdo e só publique o texto quando ele não deixar margem para dúvidas do leitor.

Aumente a velocidade do site

Quem nunca abandonou um site porque ele demorava para carregar? Os usuários não têm mais paciência para páginas que gastam mais de três segundos para carregar. Como os buscadores não querem apresentar aos usuários páginas que eles vão abandonar em pouco tempo, a velocidade de carregamento do seu site se torna um ponto importante para SEO, além da experiência do usuário, claro.

Nesse sentido, o WordPress disponibiliza uma série de plugins que ajudam na otimização da velocidade do site. Um deles é o Page Speed Insights, que faz um diagnóstico do desempenho da sua página na internet e aponta melhorias, como a redução do tamanho de imagens e a habilitação do cache.

Dê atenção às imagens

Outro aspecto que o Google olha com atenção é a otimização das imagens. Então, quando você inserir a imagem no texto, é importante que o nome do arquivo contenha a palavra-chave. Inclua, ainda, o termo principal nos atributos “title” e “Alt” da imagem.

Para otimizar as imagens, um excelente plugin é o Smush.it para WordPress. Trata-se de um recurso que reduz o tamanho das imagens na hora em que você faz o upload. E o melhor de tudo é que a qualidade das imagens não fica prejudicada.

Depois dessas dicas, você já pode começar a trabalhar boas práticas de SEO em seu site. Vale lembrar que é fundamental manter os plugins atualizados e excluir aqueles que não são mais usados. Por fim, continue estudando e descobrindo novas técnicas de otimização.

Veja o passo a passo para que seu site seja encontrado por seus futuros clientes

Hoje, com a enorme quantidade de empresas na internet, não basta apenas ter um site, você precisa ser notado pelos consumidores se quiser ter alguma relevância, conquistar um público fiel e vender. Mas como fazer isso?

Bom, o primeiro passo é pensar na experiência do consumidor. O processo de compra geralmente se baseia no despertar de um desejo ou necessidade, pesquisa, relacionamento e compra.

Se você, enquanto cliente, percebe que está precisando de uma televisão nova, naturalmente o primeiro passo vai ser começar a pesquisar modelos de TV e lojas que vendam o produto com o melhor preço possível, certo? Depois disso, você deve tomar um tempo para conhecer melhor a loja escolhida, verificar se ela é mesmo confiável e então comprar.

Esse momento de pesquisa é decisivo na finalização de compra e é nele que sua marca precisa aparecer. E você sabe onde as pessoas costumam procurar por itens que querem comprar? No Google! É por isso que quem tem um site precisa se preocupar em aparecer por lá.

Agora você, provavelmente, está pensando que estar em um lugar tão disputado e importante para o processo de compra deve ser algo bem complicado, não é?

Bem, posicionar seu site no Google é, sim, algo que pode ser um pouco trabalhoso, principalmente se você quiser estar entre os primeiros resultados, mas, com certeza vai ajudá-lo a colher ótimos resultados no futuro. Vamos ver, a partir de agora, como fazer isso!

A indexação de um site

Todos os dias, milhares de sites são criados no mundo todo. O Google tem um sistema que, periodicamente, verifica novos sites, os analisa e, de acordo com alguns critérios próprios, escolhe se vai ou não somá-los ao seu diretório de sites. Esse processo é chamado de indexação.

No entanto, como a quantidade é muito grande, essa indexação orgânica pode demorar um pouco ou acabar não acontecendo. Uma alternativa para agilizar esse processo é fazer a indexação manualmente.

Para adicionar a sua URL no catálogo do Google basta acessar o endereço https://www.google.com.br/intl/pt-BR/add_url.html. Lá, você tem a chance de enviar o seu site para análise e ainda fazer alguns comentários descrevendo que tipo de conteúdo será encontrado em seu site.

Vale dizer que fazer esse cadastro não garante que seu site será adicionado, mas é um passo que pode acelerar a indexação.

Caso você esteja encerrando um site ou mudando ele de endereço, também pode fazer a exclusão ou alteração do endereço neste mesmo lugar.

Quer aparecer primeiro? Invista em SEO

Depois que seu site for indexado pelo Google, ele já poderá ser encontrado pelos usuários no buscador mais famoso do mundo. Mas isso não garante que você vai estar entre os primeiros resultados.

Você já percebeu que quando busca por algo como “como pintar azulejo” aparece uma série de resultados e várias páginas, certo? Bom, isso não é aleatório. O Google coloca no topo os resultados que entende serem os melhores, porque sabe que a tendência é que o público clique nos primeiros links exibidos.

E o que faz com que o Google entenda quais são os melhores sites para mostrar aos usuários? Uma série de fatores que, juntos, chamamos de SEO.

SEO é a sigla para Search Engine Optimization ou Optimização para Mecanismos de Busca, e é o que determina se um site será o primeiro ou o centésimo link na página de resultados do Google.

Se você quiser não só ter chances de aparecer no Google, mas, de fato, ser um dos primeiros quando as pessoas pesquisarem algo relacionado ao seu site, precisa conhecer e investir em SEO. Algumas das principais técnicas para se posicionar melhor são:

Produzir conteúdo de qualidade: a maior preocupação do Google é colocar o conteúdo que melhor atende à necessidade do usuário perto dele. Então, se você quer alcançar o topo, preocupe-se em criar conteúdo excelente, que responda às dúvidas frequentes e eduquem quem está lendo.

Focar em palavras-chaves: o texto que digitamos no campo de busca do Google é chamado de palavras-chaves, e elas são a ligação entre o que o visitante está procurando e o que o seu site tem a oferecer. Pense em que palavras seus futuros clientes podem usar no buscador e tente trabalhar com elas em seu conteúdo.

Buscar links externos: quando você é citado por outros sites, o Google entende que você está se tornando uma referência, e isso contribui muito para um ranqueamento. Mas não vale ser citado por qualquer site. É necessário que você receba links de páginas que tenham a ver com o seu mercado e já estejam estabelecidas há algum tempo na internet. Ou seja, não adianta criar outro site para linkar para o seu, o Google vai perceber!

Ter um layout mobile: como a prioridade é oferecer a melhor experiência possível ao público, e as pessoas estão cada vez mais conectadas à internet por meio de seus smartphones, o Google declarou, recentemente, que ter um layout mobile (aquele que se adapta a telas menores) também faz diferença no ranqueamento.

Adicionar um certificado SSL ao site: o certificado SSL é o que faz com que seu site passe a criptografar informações trocadas entre você e quem acessa seu site. Como é um elemento que garante a segurança do usuário, já está sendo considerado um dos fatores principais para um site ser bem-visto pelo Google.

Como última dica, é bom dizer que quando o assunto é SEO não adianta tentar ser esperto e dar um “jeitinho” para driblar esses itens. Essa tática é conhecida como Black Hat e não agrada ao Google nem um pouco.

O pior é que, se o sistema pegar você trapaceando para se posicionar melhor, você pode ser penalizado com a perda de posições, ou até mesmo ter seu site retirado do catálogo do Google. Ou seja, não vale a pena! Trabalhe no seu site com dedicação e afinco e você vai chegar lá!

8 principais sistemas de marketing para e-commerce

O marketing é uma das peças fundamentais do e-commerce: é ele que vai gerar o tráfego, influenciar na conversão e na retenção de clientes para as lojas virtuais. Para ajudar os profissionais, existem diversos sistemas de marketing para e-commerce que automatizam processos e otimizam resultados.

Abrir e gerenciar um e-commerce exige altos investimentos – de tempo e financeiros, por isso as ações de marketing devem ser certeiras. Nesse texto, vamos apresentar os principais sistemas de marketing para lojas virtuais, e outras ferramentas correlatas, mostrando os maiores benefícios de cada uma. Com elas, você terá um ponto de partida para escolher aquelas que sejam mais adequadas ao seu negócio.

1. Sistemas de Análise de Dados

Quando falamos em sistemas PPC (Pay Per Click), não tem como negar: o Google Adwords vem logo à mente. Há outras plataformas que também seguem esse modelo, seja nos buscadores concorrentes, como o Yahoo Gemini e o Bing Ads (embora pouco usados no Brasil), seja nas redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram, LinkedIn, Pinterest, entre outros).

Mas o que essas plataformas têm em comum e se convergem como sistemas de marketing para lojas virtuais? Mais do que simples publicadores de anúncios pagos (PPC), elas formam um complexo sistema de análise de dados. E é aqui que reside a importância vital dessa forma de marketing.

A parte que interessa ao empreendedor nos anúncios pagos é a análise dos dados. É ela a grande vantagem deste sistema de marketing. As plataformas de Ads são capazes de segmentar públicos de forma totalmente customizada para atingir o alvo com a maior acurácia e precisão possíveis. Isso vai depender do quão eficaz é a sua coleta de dados. Contudo, com essa precisão, você consegue otimizar o orçamento dedicado ao marketing e aumentar ao máximo as taxas de conversão e vendas. É possível segmentar de acordo com dados demográficos, geográficos, hábitos, entre outros.

2. Sistemas de BI

O Business Intelligence (BI) é um conjunto de processos que coleta, analisa e apresenta informações de negócios e big data. Se implementado corretamente, o sistema economiza tempo e energia enquanto fornece informações importantes sobre seus negócios e clientes.

Por meio do processo de BI, você consegue “lapidar” seus dados brutos, dando sentido a eles e filtrando as informações importantes. O BI ajuda as empresas a tomarem decisões mais precisas acerca do marketing, vendas e diversas outras áreas do negócio. Vejamos alguns dos benefícios de sistemas de BI para e-commerce:

2.1 BI e vendas

De acordo com um estudo feito pela Nucleus Research, cada dólar gasto por uma empresa em BI gera outros US$ 13,01 (dados de 2014). Isso representa um ROI de 1.300%.

As informações obtidas pelo Business Intelligence podem ajudar sua empresa a reduzir custos e implementar processos mais eficientes. O BI pode levar a mais vendas e clientes mais satisfeitos, além de economizar tempo e recursos da empresa.

2.2 BI e Marketing

O Business Intelligence ajuda sua equipe de marketing a avaliar a eficácia de seus esforços de marketing. Ele permite que você veja quais produtos estão vendendo e para quem. Essa informação ajuda a decidir quais são os melhores produtos para promover em mercados específicos.

O BI também pode mostrar quais campanhas de marketing e anúncios funcionam melhor, permitindo que você concentre tempo e recursos em campanhas de marketing que impulsionam as vendas.

2.3 BI e retenção de clientes

A retenção de clientes é uma das principais preocupações para empresas B2B. De acordo com a Bain & Company, ganhar um novo cliente é de seis a sete vezes mais caro do que manter um cliente atual.

O Business Inteligence pode oferecer uma visão do motivo de alguns de seus clientes estarem abandonando e outros continuarem a comprar da sua empresa.

3. Sistemas de SEO

Search Engine Optimization (SEO) refere-se ao processo de melhorar a posição do seu site nos resultados orgânicos de pesquisa dos buscadores como o Google.

Como regra geral, os sites que aparecem nos primeiros resultados receberão mais tráfego para suas páginas e, portanto, potencialmente mais negócios. Seu objetivo é chegar à primeira página e, idealmente, à primeira posição, mas essa viabilidade vai depender muito do mercado em que você está operando e dos seus esforços para o rankeamento.

Uma equipe profissional de consultores de SEO pode ranquear o seu e-commerce rapidamente e de maneira positiva nos motores de busca. Um trabalho eficaz de SEO envolve todos os seus aspectos, como otimização de palavras-chave, link building, a correta redação de artigos para alimentar o blog e gerar tráfego ao site principal, a descrição de produtos, entre outros.

Investir em SEO ajuda você a construir sua marca global no mercado. Eis alguns dos maiores benefícios do SEO para e-commerce:

reduz gastos do orçamento de marketing, especialmente online;
aumenta a visibilidade de pesquisa de cada produto com base na concorrência;
ajuda a construir valor da marca e maior fidelidade de clientes;
ajuda a atrair clientes de forma natural;
agiliza o crescimento da empresa e as vendas de produtos, que são os principais objetivos de todo e-commerce;
tem efeitos de longo prazo nos motores de busca, uma vez que você esteja nos primeiros 10 resultados.

4. Sistemas de Automação de Marketing

A automação de marketing é uma ferramenta extremamente útil, especialmente para o e-commerce. Você pode usar a automação para muitas finalidades, desde otimizar as taxas de conversão até a previsão do comportamento do cliente.

Os benefícios do uso da automação de marketing são muitos. O principal deles é a melhoria da gestão de leads por meio de scoring (pontuação), nutrição e segmentação, bem como gerenciamento de e-mail e campanhas.

D ominar essas funções por meio da automação de marketing aumenta a eficiência e ajuda a simplificar o processo de marketing e vendas. Em última análise, uma vez que os sistemas de automação de marketing são implementados e integrados em plataformas de CRM, é possível mensurar resultados e informações detalhadas sobre como engajar prospects e clientes.

Vamos ver algumas das principais vantagens que a automação de marketing tem para impulsionar o seu e-commerce:

4.1 Redução do abandono de carrinho de compras

Lutar contra o abandono do carrinho de compras faz parte da rotina dos negócios online. É fácil entender o motivo: a taxa média de abandono de carrinho é de incríveis 69,23%!

Para reduzir o abandono do carrinho, é possível usar a automação de marketing para enviar e-mails com mensagens curtas relembrando os clientes sobre os produtos que deixaram em seus carrinhos. Além de personalizar o e-mail, você também pode adicionar um incentivo para o cliente concluir a compra.

4.2 Execução de relatórios detalhados

É muito importante que você entenda seus clientes, caso contrário será difícil vender seus produtos para eles.

Para executar relatórios mais detalhados, a maioria das ferramentas de automação de marketing pode ser integrada com plataformas como o Google Analytics. Dessa forma, você pode acompanhar o tráfego e as taxas de conversão.

4.3 Compreensão dos dados demográficos

Outro aspecto do e-commerce em que a automação de marketing funciona bem é uma melhor compreensão da demografia do seu público. Graças a recursos como a segmentação geográfica, você consegue saber de onde vem o seu público, assim como sua idade, sexo, interesses etc.

Quando você conhece os dados demográficos do seu público, você pode modificar seus canais da maneira mais adequada. Os clientes sempre respondem melhor ao conteúdo personalizado e relevante para suas necessidades. Com os dados, fica mais fácil alcançar os clientes com e-mails adaptados à sua localização específica, faixa etária etc. para direcionar os produtos certos às pessoas certas.

5. E-mail marketing

O e-mail marketing é um dos sistemas de marketing mais poderosos para lojas virtuais. Se bem trabalhada, uma estratégia de e-mail marketing pode construir a visibilidade da marca, impulsionar compras e manter o negócio na memória do público. Tudo isso com um custo relativamente baixo.

Há pelo menos 4 benefícios principais de uma campanha de e-mail marketing para e-commerce:

custos bem menores em relação à mídia tradicional;
relacionamento mais próximo com os clientes, de modo a conquistá-los e fidelizá-los com mais facilidade;
aumento do número de visitas à loja virtual (consequentemente, das conversões e vendas), com campanhas focadas em ofertas personalizadas;
medição do desempenho de uma campanha.

É importante citar que essa estratégia caminha junto à automação de marketing citada no tópico anterior.

Para ter bom proveito dessa ferramenta, há vários tipos de e-mail marketing que você pode usar, com finalidades diferentes. Citamos os principais:

newsletters: são ótimas para criar e manter um relacionamento com o cliente, pois você pode atualizá-lo periodicamente com conteúdos úteis relacionados ao seu negócio;
promocionais: são os e-mails ou campanhas que visam à venda direta ou indireta de um produto, à divulgação de alguma novidade, enfim, a qualquer promoção específica, normalmente feita de forma bastante segmentada para a conversão seja vigorosa;
transacionais: esses e-mails se referem àquelas mensagens acerca de alguma transação ocorrida entre o cliente e a empresa, como um agradecimento, uma solicitação de senha e login, informação sobre um pedido, entre outros.

6. Mapa de calor

Um mapa de calor é uma ferramenta de análise visual da web muito útil para melhorar a conversão de um e-commerce. Se usada em conjunto de ferramentas analíticas (dados quantitativos), o mapa de calor (dados qualitativos) pode proporcionar um conjunto vital de informações sobre a navegação e experiência do usuário com o seu site.

Ser capaz de ver onde seus visitantes estão clicando e, igualmente importante, onde não estão clicando revela muito sobre os pontos fortes e fracos do design, dos menus de navegação, das call-to-action etc. do seu e-commerce.

Há três tipos principais de mapas de calor:

hover maps: indicam as áreas na tela por onde os visitantes moveram o mouse e onde permaneceram com o cursor parado por mais tempo;
click maps: mostram onde ocorreram mais atividades de cliques em determinada página; ajudam a verificar a eficácia e visibilidade de botões e menus, por exemplo;
roll maps: indicam a atividade de rolar a página para baixo; ajudam a entender o engajamento e eficácia do conteúdo.

7. Estratégia de redes sociais

Falar em sistemas de marketing para lojas virtuais sem abordar as redes sociais é um erro grave. Muitos ignoram ou são céticos em relação às redes sociais por terem tido uma experiência sem resultados de vendas.

No entanto, mais do que pensar em vendas diretas, as redes sociais proporcionam outros benefícios igualmente importantes para um negócio, os quais, indiretamente, acabam aumentando as conversões e vendas.

Há pelo menos 4 vantagens fundamentais pelas quais você deve considerar usar as redes sociais em sua estratégia de marketing:

7.1 Direcionamento de tráfego

Construir um portfólio social nas principais redes sociais permite que você direcione o tráfego para sua loja virtual. Além disso, esse tráfego pode ser analisado para que você possa aprender como seus esforços de mídia social estão resultando em aumento de tráfego e conversões em seu site.

7.2 Interação com os clientes

As redes sociais permitem maior engajamento das empresas com seus clientes. Uma vez que o propósito dessas plataformas é justamente a interação social, é possível manter um relacionamento mais humanizado com as pessoas, aumentando as probabilidades de fazer novos negócios e manter clientes.

7.3 Maior impacto nas buscas orgânicas

Os motores de busca reconhecem sugestões das atividades de redes sociais. Quanto mais pessoas gostam ou compartilham seu conteúdo em mídias sociais, melhor será a visibilidade do seu site nos mecanismos de busca.

7.4 Baixo custo

As principais redes sociais são gratuitas para criar um perfil ou página. Além disso, mesmo com o impulsionamento de conteúdo e os anúncios pagos, o custo é bem baixo se comparado com outras mídias tradicionais.

8. Teste A/B

O teste A/B é um método de comparação entre duas versões de uma página para determinar qual possui melhor desempenho. O teste A/B é essencialmente um experimento em que duas ou mais variantes de uma página são mostradas aos usuários ao acaso, e a análise estatística é usada para determinar qual variação é melhor para um determinado objetivo de conversão.

Executar um teste A/B de uma página do seu e-commerce com uma variação dela permite que você tente responder a questões focadas sobre as mudanças do seu site, coletando dados sobre o impacto dessas mudanças.

Veja os principais benefícios de realizar testes A/B no seu e-commerce:

possibilita aumentar o engajamento do conteúdo;
ajuda a reduzir a taxa de rejeição;
pode aumentar a taxa de conversão;
também eleva o valor das conversões;
é fácil de analisar;
é útil para testar com poucos dados;
funciona para praticamente todos os elementos do site;
possui riscos e custos reduzidos;
ajuda a reduzir as taxas de abandono de carrinho;
ajudar a impulsionar as vendas.

Usar os diversos sistemas de marketing para lojas virtuais da forma adequada vai fazer você entender os processos mais intrínsecos do seu negócio, das análises de dados às conversões e aumento das vendas. Realize experimentos e mantenha sempre ativo o monitoramento de indicadores para acompanhar o desempenho de suas estratégias de marketing.

Entenda o que é marketing de conteúdo

O Marketing de conteúdo não é focado em vendas, mas sim na comunicação da marca os com os potenciais clientes, a informação é usada como diferencial e ajuda a criar um relacionamento duradouro. O conteúdo é produzido visando aproximar o cliente e sanar suas dúvidas, e pode ter diversas formas como notícias, ebooks, posts de blog, artigos, imagens, posts de mídias sociais, entre outros.

Ele visa criar e compartilhar conteúdo relevante para atrair e envolver o público-alvo. O conteúdo entra como estratégia para auxiliar nas escolhas de compra, afinal hoje em dia os clientes são bem informados e tomam decisões aprofundadas, dessa forma é preciso informar para ajudar no processo de tomada de decisão dos seus potenciais clientes.

Quando sua empresa informa os consumidores sobre assuntos referentes a sua área de atuação, sobre seus serviços e produtos, você constrói uma imagem de referência no segmento. Se você produz conteúdo relevante para seu público ele passa a te enxergar como um especialista na área e passa a confiar na sua marca.

Sendo assim, o marketing de conteúdo ajuda a transformar os seus potenciais clientes em clientes, e fidelizar os atuais. Já que vivemos numa época onde cada pessoa tem milhares de opções para escolher é preciso que a sua empresa se destaque, que ela pareça ser a melhor opção. É aí que entra o conteúdo, quem informa detém o conhecimento e o público sente maior segurança em optar pelos seus produtos ou serviços.

5 motivos para sua empresa investir em marketing de conteúdo

O marketing se transforma o tempo todo, e as formas de se comunicar também se transformaram. Se antes a melhor forma de comunicar seu produto ou serviço ao público era impondo sua visibilidade de forma um pouco mais invasiva e impessoal, hoje o cenário mudou muito. As pessoas procuram se identificar de verdade com algo para só então passar a consumir. Dentro desta nova realidade, o marketing de conteúdo é uma das mais poderosas ferramentas. É a partir dele que sua marca poderá conversar adequadamente com o público, gerando leads e criando conteúdo realmente relevante para as pessoas. O content marketing é indispensável nas estratégias de marketing digital por vários motivos, e separamos cinco deles para que fique mais clara sua importância.

1) Informação é o que move o mundo moderno

Em um mundo altamente conectado e com relações baseadas nas experiências digitais, é natural que o comprador busque informações sobre o produto ou serviço que deseja. Porém, ao encontrar essas informações, ele quer muito mais. O cliente moderno busca algo além da compra: ele quer soluções para os seus problemas, sejam eles quais forem, dos mais básicos aos mais complexos. E é aí que o trabalho de conteúdo entra.

A estratégia de conteúdo deve contemplar a criação de conteúdo relevante para os compradores – ou buyer personas. Mesmo que as personas não estejam preparadas ainda para comprar, é criando essa relação e provendo as respostas buscadas por elas que sua marca se tornará referência e passará a ser a opção quando o cliente estiver pronto.

2) Integração com estratégias diversas de marketing digital

Quando pensamos em conteúdo, geralmente vêm à cabeça os blogs ou sites, certo? No entanto, o content marketing se aplica e permeia diversas outras estratégias dentro do marketing digital, como o inbound, o email marketing e social media. Com um material bem pensado e bem elaborado, é possível trabalhar o conteúdo em diversos locais atingindo potenciais clientes de diversas formas, sempre oferecendo algo exclusivo e diferenciado.

3) Educando o mercado

Dependendo do ramo em que sua empresa atua, a aplicação do seu serviço ou produto pode ser bastante específica. Se esse for o caso, é possível utilizar o content marketing para desmistificar possíveis mitos em relação ao seu campo de atuação, além de mostrar de forma didática e interessante como as suas soluções funcionam.

4) Seja visto como referência na sua área

Existem diversas empresas no mercado, dos mais diversificados segmentos, e com múltiplas similaridades. O que vai diferenciar seu negócio é a forma como você se posiciona em relação ao assunto de seu nicho, de como você fala sobre ele, e, o mais importante: sobre como você tem domínio sobre ele. As pessoas querem comprar de quem sabe bem o que está fazendo, de quem se destaca pelo conhecimento que compartilha e pelas novidades e soluções que oferece. O marketing de conteúdo é a estratégia perfeita para posicionar seu negócio como autoridade na área. Assim, fica muito mais fácil a persona se identificar com o seu conteúdo e procurar sua empresa quando estiver pronta para comprar.

5) Content marketing qualifica seus leads

Segundo estudo divulgado pela consultoria americana Demand Metric, os números relacionados ao content marketing dizem que as estratégias de conteúdo atraem consumidores qualificados, que estão interessados no seu nicho. Veja só:

  1. 80% dos internautas gostam de aprender sobre uma empresa por meio de conteúdo customizado.
  2. 60% das pessoas procuram produto de uma empresa após lerem conteúdo a respeito dele.
  3. Para conhecer detalhes de uma empresa, 70% das pessoas preferem artigos a comerciais.
  4. 60% dos consumidores gostam de ler conteúdo relevante criado por marcas.
  5. 82% criam sentimento positivo sobre uma empresa depois de ler conteúdo produzido por ela.
  6. 90% consideram conteúdo customizado útil.

Além de tudo isso, uma última observação: segundo a mesma pesquisa, o content marketing custa 62% menos do que marketing tradicional e gera retorno três vezes maior.

Observação:

O que o Ebook e o White Paper têm em comum?

São desenvolvidos para fins educativos
Marketing de Conteúdo: ambos são produtos reconhecidos pelo meio
Referência: ambos ajudam a se posicionar no mercado como fator referencial
Público-alvo: ambos são considerados produtos com audiência específica
Problema/Oportunidade: ambos têm foco na resolução de problemas e criação de oportunidades

Agora vamos às diferenças:

White Paper

Longos, lineares, e aprofundados em um único tópico
Centrado em dados e baseado em pesquisas quantificáveis
Focado no texto com o mínimo de gráficos
Tom formal semelhante ao acadêmico
Geralmente possui de 5 a 12 páginas

Ebook

Formato de blocos escaneáveis de texto
Centrado em conceitos, com formatos especiais para as recentes tendências da indústria
Formato que lembra uma revista com textos, imagens e gráficos
Tom menos formal que o White Paper. Uma conversa entre iguais.Permite maior interação com o conteúdo, com links e mídias adicionais
Pode possuir de 10 até 200 páginas

Antes de optar por um ou outro, as perguntas básicas que você deve fazer a si mesmo são:

Eu quero me evidenciar como um expert da área?

É provável que a melhor escolha seja o White Paper.

Eu quero me evidenciar como um fomentador de conversas e engajamento?

É provável que a melhor escolha seja o Ebook.

6 ferramentas gratuitas para criar um e-book ou White Paper

Você pode usar um editor de textos e depois transformar o arquivo em pdf para criar seus e-books, mas há várias ferramentas disponíveis para você incrementar seu e-book:

1- 3D Pack

Nesse site você cria uma linda capa em 3D para ajudar na divulgação de seu e-book. Ideal para quem não sabe ou não tem tempo de trabalhar com editores de imagens como o Photoshop e o Gimp.

2- Papyrus

Uma startup indiana de produção, publicação e comercialização de ebooks disponível gratuitamente para os navegadores Chrome e Safari. É possível escolher um estilo partir de uma lista de modelos de capa e tipos de fonte pré-definidos e personalizá-lo de acordo com suas necessidades. Também dá para inserir imagens e links, além de texto, claro. Há uma funcionalidade para importar textos e imagens a partir de uma URL, o que permite, entre outras coisas, transformar um blog em livro.

3- youblisher

Com esse site você transforma os seus documentos em revistas digitais, permitindo que qualquer usuário acesse com o navegador web o conteúdo que você disponibilizou. Os arquivos ficam armazenados no próprio site do serviço.

4- Issu

Criado por um bando de nerds com um amor interminável pela indústria de publicação, o issuu cresceu e se tornou uma das maiores redes de publicação do setor. É um arquivo, biblioteca e banca de revistas… tudo reunido em uma única experiência de leitura.

5- Livros Digitais

Plataforma gratuita desenvolvida no Instituto Paramitas, em português, é inteiramente online, ou seja, não é necessário baixar e instalar um programa em seu computador, apenas fazer um cadastro para ter acesso à área de criação e publicação.

6- My Ebook Maker

É uma ferramenta online e gratuita para criação de ebooks no formato .epub. Após o cadastro, o usuário começa fazendo a capa (com título, autor e uma imagem, se quiser) e depois produz cada capítulo em uma página diferente, que possui um jeitão parecido com o Word.

Como tornar seu site acessível aos mecanismos de busca

Tornar o conteúdo de seu site acessível para os mecanismos de busca é o primeiro passo no sentido de criar visibilidade nos resultados de busca.

Para desenvolver uma arquitetura de site voltada para SEO, é necessária uma quantidade significativa de raciocínio, planejamento e comunicação devido ao grande número de fatores que influenciam a forma em que o mecanismo de busca vê seu site, e ao grande número de maneiras em que um site pode ser montado.

O primeiro passo no processo do projeto de SEO é ter certeza de que seu site possa ser encontrado e rastreado pelos mecanismos de busca. Para ter uma boa classificação nos mecanismos de busca, o conteúdo do seu site deve estar na forma de texto HTML e com uma estrutura de design responsivo (compatível aos dispositivos móveis). Segundo o IBGE, Celular é principal meio de acesso à internet no Brasil.

Investir em  estruturas de links que possibilitam rastreamento é fundamental. Os mecanismos de busca utilizam links em páginas da Web para ajudá-los a descobrir outras páginas da Web e outros sites. Por esse motivo, recomendamos enfaticamente que você invista tempo em construir uma estrutura de links internos que os spiders possam rastrear com facilidade. Muitos sites cometem um erro crítico de ocultar ou dificultar a visão de sua navegação de forma a limitar a acessibilidade dos spiders, afetando, assim, a capacidade de listar as páginas nos índices dos mecanismos de busca.

Na figura acima, o spider do buscador chegou à página A e viu links com as páginas Be E. No entanto, embora as páginas C e D sejam importantes no site, o spider não tem como chegar até elas (nem mesmo saber que elas existem) porque não há nenhum link direto, e que possa ser rastreado, que aponte para essas páginas.

No caso acima, a única chance do spider chegar a página C seria a sua adição no sitemap do seu site.

A adição de uma URL a um arquivo Sitemap (arquivo em XML) não garante que ela será rastreada ou indexada. No entanto, pode gerar páginas que, do contrário, não seriam descobertas nem indexadas pelos mecanismos de busca que estão sendo rastreados e indexados.

O XML Sitemap é uma ferramenta útil e, em alguns casos, essencial para o seu site. De modo particular, se você tiver razão para acreditar que o site não está totalmente indexado, um XML Sitemap pode ajudá-lo a aumentar o número de páginas indexadas.

Veja 12 dicas para ajudá-lo a escolher um ótimo nome de domínio

Duas das partes mais básicas de qualquer site são o nome do domínio e as URLs das páginas do site. Esta seção explorará diretrizes para otimizar esses importantes elementos.

Quando um novo site esta sendo concebido ou projetado, um dos principais itens a ser considerado é o nome que será dado ao domínio, seja ele para um novo blog, ou o lançamento de uma empresa.

Veja doze dicas indispensáveis para ajudá-lo a escolher um ótimo nome de domínio:

  1. Recolha ideias para cinco palavras-chave principais.
  2. Crie um domínio exclusivo
  3. Só escolha domínios disponíveis do tipo .com.br
  4. Crie um domínio fácil de digitar
  5. Crie um domínio fácil de lembrar
  6. Use um nome o mais curto possível
  7. Crie e satisfaça as expectativas
  8. Evite violações de marcas comerciais
  9. Destaque-se dos outros com uma marca
  10. Rejeite hífens e números
  11. Não siga as últimas tendências
  12. Use uma ferramenta de seleção de domínios do registro.br

Site Responsivo ou App Mobile? Qual a diferença?

Para atender a um público detentor de smartphones, que tem ficado cada vez maior, as empresas têm apostado cada vez mais em duas opções de comunicação virtual mobile: sites responsivo ou aplicativo.

Já citamos anteriormente que 56% dos usuários acessam a internet usando um dispositivo móvel, e que 61% se preocupa em ter uma experiência satisfatória.

Logo, se a sua empresa não conta com um site responsivo ou aplicativo, é bem provável que o acesso do seu público virtual fique bastante comprometido, com baixa performance e consequentemente, insatisfação por parte do mesmo. E nós sabemos o quanto isso pode ser negativo para o seu negócio.

Mas, como definir qual a melhor opção? Qual a diferença entre um site responsivo ou app mobile?

Vamos te explicar!

O site responsivo pode ser acessado através de navegador do seu dispositivo móvel; a distribuição das informações e os componentes do site se adapta ao tamanho da tela. A navegação fica mais fácil nesse modelo de site, afinal, o usuário não precisará arrastar a tela ou ampliá-la, para localizar alguns botões.

Contudo, todas as páginas serão carregadas através do navegador, e como a quantidade de elementos é muito grande, o acesso pode ficar mais lento.

Muitos empresários se confundem ao achar que o fato de seus sites rodarem em celulares, os torna responsivo. A verdade é que todo site é capaz de funcionar em um smartphone, porque se trata de um browser igual ao do computador comum, no entanto, uma vez que este site não é responsivo, o visitante tem dificuldades de navegar e visualizar as informações com qualidade.

Existem duas formas de identificar se um site é responsivo ou não: abra o site em um smartphone ou reduzir o seu navegador na horizontal. O site será responsivo se o seu layout se adaptar automaticamente ao novo formato, sem precisar de intervenções manuais para visualizar todas as informações.

Já no app mobile, o software é instalado no seu smartphone ou tablet e somente os dados serão trafegados, o que representa um acesso mais rápido e dinâmico. Dessa forma, você pode oferecer um conteúdo ainda mais completo, visto que o app mobile tem uma performance mais rápida e pode carregá-lo mais rapidamente, sem comprometer a qualidade da experiência do usuário.

Por se tratar de um software, um app mobile precisa se adaptar as diferenças entre sistemas operacionais (Android, iOS, Windows Phone, etc). É uma tecnologia bastante recente e por isso, atualmente tem menos mão de obra disponível. Esses fatores agregam valor ao projeto do aplicativo web.

Tanto o site responsivo quanto o app mobile são opções adequadas e cada uma delas pode atender uma necessidade diferente.

O fato é que se tratando de um negócio com volume de informações muito alto, atuando em um grande mercado, dificilmente será possível fugir do app mobile. Até porque a taxa de conversão (vendas) é maior, devido à usabilidade e performances melhor desempenhadas.

Portanto, estude seu negócio, qual das opções se aplicaria melhor a ele e inclua-os na realidade da sua empresa.

Por Israel Melicio

Fonte: ecommercebrasil.com.br

Obs.: É importante considerar o site responsivo, mesmo que queira um App Nativo. Sites responsivos facilitam muito a sua vida na hora de criar um App nativo. Um, definitivamente, não exclui o outro e o ideal é que estejam alinhados para que os objetivos do seu negócio sejam alcançados com sucesso.