O que significa branding?

O termo branding é mal compreendido e está sendo usado para explicar qualquer coisa. No entanto, atrair consumidores para a sua marca é o trabalho mais relevante que um profissional de marketing pode fazer.

De uns tempos para cá, em toda parte começou a aparecer o termo branding, a buzzword preferida dos marketeiros. Tudo é uma questão de branding, ações de marketing viraram ações de branding, as justificativas de se estourar o orçamento deste mês são, sem dúvida, um problema de branding, e até algumas agências de design viraram agências de branding.

No começo desse mês, eu li no Branding Strategy Insider esse post, que fala sobre como o branding está precisando trabalhar no seu próprio branding.

Eu explico. O abuso do termo não é exclusivo dos brasileiros, e tem causado irritação e frustração nos outros profissionais (que não os de marketing) nas empresas. Porque na prática, como o termo branding está sendo usado para explicar qualquer coisa, tem virado piada e sinônimo de blá-blá-blá. Quando foi que a palavra virou algo misterioso que não sabemos bem a que se refere?

Uma marca ou brand é a percepção dos consumidores sobre um produto, serviço, experiência ou organização. Não o que os profissionais de marketing pensam que a marca é, mas o que ELES, os consumidores acham que ela é.

Portanto, por princípio, não existe marca em um escritório de design. Ou num boardroom. A marca está nas ruas, nas casas, sendo vivida e experimentada. O design, o sistema de identidade de uma marca, é sim, importantíssimo, crucial. É a estratégia em forma visível, como dizia o pioneiro Wally Ollins. Mas não é a totalidade do que é a marca.

Para a American Marketing Association, branding não é fazer com que um consumidor escolha uma marca ao invés da marca concorrente. É fazer com que um potencial consumidor perceba a marca como a única solução para o que ele busca. A única escolha lógica para o que ela está oferecendo. Branding é um sistema de comunicação que deixa claro porque a marca importa. É achar e comunicar algo que atraia os consumidores para a marca, ao invés de você ter que caçá-los de modos, algumas vezes, bem caros.

E não adianta ser apenas diferente. Diferente é ótimo, claro. Nossa atenção vai direto para o que é diferente. Tem que ser relevante. Tem que ser solução. E não porque eu digo, mas porque o consumidor, o usuário está dizendo.

Branding é atrair esses consumidores para a sua brand. É o trabalho mais relevante e de maior ROI que um profissional de marketing pode fazer. Branding te faz saber o que dizer antes mesmo de que você abra a boca. Portanto o diretor financeiro tem que cobrar o bom branding, porque ele aumenta as chances de retorno do investimento na marca. E não ter medo de quando o diretor de marketing usa a palavra de modo enigmático.

Da próxima vez que ouvir o termo mal-utilizado, passe a mensagem para frente. Pergunte o que o consumidor achou. Pergunte como isso torna a marca a escolha lógica. Como isso atrai os consumidores para que não se tenha que caçá-los. Para que quando formos falar de branding, falemos de verdade, que o assunto é importante.

Por que é tão importante o trabalho de Branding no oceano de marcas e produtos da Web?

Branding é um nome e/ou sinal exclusivo e distinto para identificar um produto ou um produtor.

Talvez você já tenha uma marca desenvolvida para seus serviços, produtos, empresas ou negócios. Ao se aventurar no reino de web para se promover, pode ser uma boa oportunidade avaliar seu branding, se ele está funcionando para você e se você está efetivamente usando sua marca para aumentar sua visibilidade e participação de mercado.

Branding é chave para o sucesso ou o fracasso. Instantaneamente, podemos trazer à mente empresas e produtos que tenham um branding excelente. Às vezes, os efeitos psicológicos que o branding pode produzir farão toda a diferença na hora de escolher um produto sobre outros similares, sem preguntar o motivo da mudança em função da confiança simbólica que temos quanto à satisfação de nossas expectativas e necessidades. A lealdade à marca é uma das maiores commodities de qualquer negócio ou produto de sucesso.

A criação de uma forte identidade de marca pode ser uma tarefa difícil que envolve criatividade, talento e atenção a detalhes. A implementação de uma estratégia de branding pode incluir o nome de sua empresa, um logo ou marca de identificação, cor da marca ou uso de um slogan ou dizeres. Todos esses elementos são exclusivos da marca e, quando usados em combinação, auxiliam o desenvolvimento de sua identidade de forma geral. Há alguns truques e dicas bem conhecidas que você pode usar para criar uma marca:

Seu nome pode ser a maior parte de sua identidade de branding. Escolha-o sabiamente. Evite usar um nome que já seja uma marca comercilizada ou registrada (principalmente em negócio similar).
Lembre-se de que seu logotipo será usado por diferentes meios - os mais prováveis são impressão, internet, merchandising e anúncios - portanto, assegure-se de que a qualidade da aparência possa ser bem assimilada em todos eles.
A simplicidade aumenta o reconhecimento visual, dando a entender que seu logotipo deve ser nítido, simples, forte e memorável.
É sempre melhor tocar um projeto original - tenha a certeza de que seu logotipo não tenha a aparência de outros logotipos. Ele deve ser eletrônico ou desenhado à mão e não montado a partir de cliparts ou fontes de armazenamento de imagens.
Se você tiver um slogan, ele deve ser simples e de fácil compreeensão. Fazer as pessoas pensarem é uma coisa boa, mas elas não devem ter que se esforçarem muito para entender o que você quer dizer.
Seu slogan deve comunicar o que seu produto, negócio ou organização se propõe a fazer de forma significativa.
Todos esses elementos individuais devem ser capazes de falar por si só e de forma coletiva.

BRAND

Uma nova tendência é o branding "no brand". Este tipo de estratégia de marketing baseia-se no boca a boca ou nas formas de anúncio mais simples, bem como nas experiências do consumidor e suas expectativas. Ele tende a apresentar a função e o design do produto em termos reais no pacote que contém o produto e, tipicamente, representa um "retorno à base" para produzir, transmitir e consumir comunicação. A IKEA (um dos maiores players mundiais do setor de móveis e decoração e conhecida pelo design arrojado e preços baixos) é um exemplo popular desse tipo de branding.